A sorocabana Ariane Peres de 26 anos de idade é vista frequentemente competindo em eventos. E a veterana do esporte já anda a 13 anos de skate e continua evoluindo cada dia mais no carrinho. Hoje em dia conta com os patrocínios de Adapt e Academia R1 Fitness.

Formada como Professora de Educação Física em 2013 está em busca de novos desafios em sua carreira profissional. Atualmente está lecionando aulas em uma escola de sua cidade e competindo nos mais diversos campeonatos pelo Estado de São Paulo.

Ela conta com o auxílio e incentivo de sua família em todos os eventos que está competindo, e seu pai, Hélio Peres a acompanha com frequência.

Com seu capacete rosa ela conquistou muitas amizades com o esporte e visitou diversas cidades de seu estado de origem e pelo Brasil. Com seus noseslides, flips, f/s rockslide e b/s rockslide reverse renderam-lhe alguns títulos importante, como: Campeã Paulista e Universitária.

A loirinha de Sorocaba é um exemplo de atleta no esporte rodeado por rapazes e sua paixão não se limita ao skate. Corinthiana roxa, ela assiste aos jogos de futebol de seu time nos estádios e de futsal também nas arquibancadas das quadras locais.

 Agora vamos as Perguntinhas:

Como e quando começou a andar de skate? Quem te incentivou a praticar o esporte?

Minha irmã mais velha (Aline) tinha uns amigos que andavam e eles vinham andar na rua da nossa casa. Ela ficou querendo e pedindo para o meu pai um skate, e eu criança junto com nossa irmã mais nova (Adriane), sempre íamos ao embalo dela e queria também. No natal de 2000 meu pai resolveu nos presentear com um skate. A partir daí “brincávamos” na rua de casa, e começamos a freqüentar a pista do Pitico às vezes, quando meu pai deixava, pois éramos crianças e ele tinha certa preocupação em nos deixar “por aí”. Meu pai (Hélio) sempre foi o meu maior incentivador.

De onde surgiu a vontade de cursar Educação Física? Veio do skate ou do incentivo de sua irmã mais velha, Aline Peres (também formada em Ed. Física)?

Desde antes de começar andar de skate (antes de terminar o Ensino Médio) já pensava em fazer Educação Física, se um dia fosse fazer uma faculdade. Pois sempre fui fã de esportes e atividades física. Porém, não gostava de estudar e não queria fazer faculdade. Tanto é que depois que terminei o Ensino Médio, fiquei seis anos sem estudar e só andando de skate. Nesse tempo minha irmã Aline começou a cursar Educação Física, e posso dizer com certeza que ela me motivou.  Então minha idade chegou e junto com ela a consciência das responsabilidades, e decidi estudar e dar o meu melhor.

Como foi conciliar seu TCC e os campeonatos de skate? Como foi encarar a universidade, com tantas tarefas para fazer em aula e entrega. E ainda por cima, dar aula de spinning em academia e andar de skate?

Aí é que tá! Não sei se consegui conciliar! os dois primeiros anos da faculdade eu dava aulas de bike todos os dias, duas vezes ao dia e fazia estágio em escola. Não tinha pernas e nem tempo de andar de skate. Andava final de semana quando dava, pois a partir do momento que comecei estudar, a faculdade passou a ser minha prioridade. Eu não deixava de estudar para as provas no final de semana ou fazer trabalhos e TCC para andar de skate, eu andava se sobrasse tempo, mesmo assim nunca parei de andar. Selecionei campeonatos julgados mais importantes por mim e por meu pai e tentei não perder tanto o foco. A fase do TCC foi a pior, muita pressão e estresse, passava madrugadas escrevendo. Lembro que fui a um campeonato em São José do Rio Preto no ano passado, com o notebook no colo fazendo a formatação e organizando as referências bibliográficas, pois na segunda-feira eu tinha que entregar. Mas graças a Deus e a força de vontade deu tudo certo.

Quais são seus novos desafios agora para 2014?

Em 2014, o que mudou foi que deixei de ser estagiária e passei a lecionar aulas de Educação Física escolar. Ainda estou estudando, tenho mais um ano de Educação Física. Me formei em Licenciatura e agora estou cursando o Bacharelado. Continuo andando de skate do jeito que dá e continuo indo aos campeonatos que dá vontade. Parar de andar jamais.

Pretende se profissionalizar junto ao Skate? O que acha das atletas profissionais da atualidade?

Sim, desde que um patrocinador pagasse um salário decente para que eu pudesse viver apenas de andar de skate. Fico muito feliz de ver está conquista na categoria feminina do skate. Quando eu comecei andar não me lembro que tivesse nenhuma menina profissional.

Quem são seus incentivadores e ídolos? Sei que seu pai a acompanha em todos os eventos e maioria dos treinos, o que acha da presença da família junto ao esporte?

Sim, meus maiores incentivadores são meus pais. Em especial meu pai, que sempre me acompanha em tudo, mais que um pai, um amigo. É muito importante a presença da família não somente junto ao esporte, mas em tudo na vida. Eu não sou nada sem minha família.

Atualmente você continua andando de skate, e… ?

Estudando, trabalhando, treinando, namorando e curtindo minha família e minhas dog’s.

Quais foram os benefícios ou presentes que o skate lhe proporciona ou proporcionou até hoje?

O maior benefício foi a perseverança e a força de vontade, aprender a acreditar mais em mim e que sou capaz de chegar onde eu quiser. E de presente as experiências vivenciadas em tantas viagens, conhecendo lugares e culturas diferentes.

Fique à vontade para agradecer…

Gostaria de agradecer à minha família e meu namorado por todo apoio. À academia R1 fitness que a 5 anos me dá o suporte nos treinos e ao Saulo da Adapt que sempre acreditou em mim e sempre entendeu minhas correrias por fora do skate. A você Jéssica por esse espaço e a Deus pela saúde e por me manter sempre firme e focada em tudo o que faço.

Por Jéssica Hoefler