A entrevistada de hoje é Candy Jacobs, skatista holandesa que já tem 11 anos de carrinho.

Como e quando você começou a andar de skate?

Eu sempre fui uma criança hiperativa então, uma vez  quando eu estava sem nada pra fazer e estava muito irritada a minha mãe falou: Pega aquele skate antigo lá dentro do armário e ela me dirigiu pra pista de skate e me deixou lá sozinha rsrs e falou que voltaria em 2 horas pra me buscar. Depois disso eu nunca mais parei de andar!

Quando você começou a competir?

Foi quando eu arrumei meu primeiro patrocínio e eles me convidaram para ir para Basel na Suiça para competir num evento europeu bem conhecido aqui na Europa. Fiquei em oitavo lugar, mas só tinha 8 meninas e com isso fiquei com mais vontade de aprender e um dia ganhar um campeonato destes. E eu ganhei em 2009… toda vez que eu piso no meu skate eu quero aprender algo novo.

Como foi a experiência de ser convidada para o seu primeiro X-Games nos EUA?

Quando eu fiquei sabendo que eu fui convida eu fiquei muito feliz, pulei em cima da minha cama, liguei para os meus pais para contar pra eles, liguei para os meus amigos enfim foi muito style. Eu também subi no telhado, pulava nas ruas e fiquei com um sorriso travado na minha cara por uma semana hahaha…. ai foi que eu pensei que eu tinha que acordar e começar a treinar pois o nível das meninas é muito forte.

Como foi o seu primeiro X-Games?

Foi muito interessante. Eu sempre sonhei em um dia participar de uma X-Games, mas eu nunca imaginei que realmente aconteceria. Quando eu estava chegando no evento eu fiquei muito nervosa e na pista então minhas pernas estavam bambas… e eu fiquei até doente na hora. Mas apesar de tudo eu estava super orgulhosa de mim mesma e super feliz de andar de skate, conhecer pessoas maravilhosas e talentosas também. Foi inesquecível e eu vou guardar estas recordações para o resto da minha vida! Eu fiquei empatada com a Elissa Steamer na semi, mas a Elissa foi pra final e eu não, mas mesmo assim foi o momento mais orgulhoso da minha carreira. 😀

Quais as garotas que você se inspira?

Quando eu comecei a andar eu não sabia que outras meninas andavam de skate ate a loja que me patrocinava me mostrar um 411 que tinha a Elissa Steamer. Então eu imaginei se ela andava eu poderia andar e aprender as manobras que ele mandava. Ai eu fui para meu primeiro campeonato e conheci a Evelien Boulliart que estava andando muito e aquilo me motivou ainda mais.

Qual o melhor lugar pra andar de skate?

Eu amo os Estados Unidos porque tem ótimos skatistas. Barcelona é a minha cidade favorita porque eu vou todo ano com meu time da Reell. China também foi muito legal de ver como as pessoas aceitam o skate de boa.

candy

Melhor campeonato?

X-Games é o maior e o melhor e Barcelona Extreme foi meu favorito também.

Qual foi a sensação de ganhar o Barcelona Extreme?

Eu fiquei muito feliz. Na minha primeira volta eu queria dar um 50-50 180 out, mas não deu certo então eu dei um 50-50 e pensei que fosse ter uma nota baixa. Eu estava na frente de todas as meninas na minha primeira volta e foi muito difícil de manter as minhas notas durante toda a competição. Eu nunca tive a chance de ganhar da Leticia Bufoni, mas neste evento eu ganhei e fiquei muito orgulhosa de mim mesma.

Planos para 2015?

Vou sair do meu trampo e vou-me focar mais no skate! Eu vou passar alguns meses na Califórnia para andar de skate e espero conseguir alguns patrocínios e conhecer umas pessoas legais. Talvez ir pra Argentina por uns meses e ver como é a cena do skate por lá.  E a cima de tudo me divertir e aproveitar cada segundo que eu tiver em cima do skate.

Qual seria um patrocinador perfeito pra você?

Esta é uma pergunta bem difícil de responder… Eu já tenho alguns patrocínios agora… Ah acho que seria ter um patrocinador legal e que me ajude a participar de eventos ao redor do mundo. Eu tenho uma paixão por meias e tenho um sonho de andar pela Stance Socks e seria muito legal. Estou procurando um patrocinador de eixos e rodas.

Últimas palavras:

Continue andando de skate e se divirta muito!

Por Ana Paula Negrão